• ConVivência Assessoria

O cuidar, o brincar e o ensinar na infância

Atualizado: 4 de Nov de 2019


Há escolas de Educação Infantil que dão ênfase ao preparo das #crianças para o Ensino Fundamental. Você já notou? Há outras cujo destaque são as brincadeiras! E há ainda as que

demonstram tantos cuidados com as crianças, que o foco só pode estar mesmo no cuidar. Mas, e

aí, o que é mais importante?

Responder a essa questão exige considerar que a constituição da criança como sujeito está

diretamente atrelada ao âmbito sociocultural e intrinsecamente ligada aos múltiplos e diversificados contextos sociais. Nesse sentido, não há uma única infância a ser considerada. Na

verdade, existem tantas e tão variadas infâncias quanto os contextos sociais em que se desenvolvem.


Nesta perspectiva, a criança é como um ator social que age e participa ativamente da construção social do seu próprio conhecimento.

Ela dá sentido e elabora significados para suas experiências socioculturais, em vez de simplesmente reproduzir as práticas já estabelecidas. Os conceitos de infância e criança se relacionam e se interdependem, disso decorrem as relações entre o cuidar, o brincar e o ensinar.


O cuidar



“Tchau, preguiça!

Tchau, sujeira!

Adeus cheirinho de suor!

Lava, lava, lava

Lava, lava, lava

Uma orelha, uma orelha

Outro orelha, outra orelha”

(Helio Zinskind)


Inicialmente, o conceito de cuidar faz parte essencial das instituições de ensino, pois o cuidar é sobretudo dar atenção à criança como pessoa que está em desenvolvimento, identificando e respondendo às suas necessidades. Assim, é fundamental que o profissional da educação esteja comprometido com os pequenos, sendo solidário e respeitando as singularidades de cada um.

O cuidar significa tanto acolher a criança nas questões afetivas, quanto nas biológicas.

Envolve saúde, alimentação e higiene. Sem o cuidar não há condições para o brincar e o ensinar,

pois ser cuidada e amparada em suas necessidades básicas é um direito da criança. A base do

cuidado é compreender como ajudar o outro a se desenvolver como ser humano.


O brincar



“Corre cotia

Na casa da tia

Corre cipó

Na casa da vó”

(Helio Zinskind)





O conceito de brincar também vem sendo aprimorado a partir dos estudos sobre a infância.

Atualmente, o brincar é entendido como linguagem que a criança utiliza para interagir com os

outros e com o ambiente, desenvolvendo habilidades cognitivas e motoras, autonomia e

criatividade. Considerar o brincar como linguagem amplia a importância do conceito no cotidiano

da infância e da escola, muda o olhar dos educadores quanto ao seu papel diante das brincadeiras

das crianças e quanto ao planejamento desses momentos. A brincadeira, então, deixa de ser

rotulada como um simples preenchimento de vazios no dia a dia escolar e passa a fazer parte de

uma ação educativa intencional de suma importância para o desenvolvimento integral da criança.

A Base Nacional Curricular Comum (BNCC) fortalece essa ideia ao destacar o brincar e as

interações como eixos estruturantes para a prática pedagógica na etapa da Educação Infantil. No

entanto, se a infância compreende o período do desenvolvimento humano até o início da

puberdade, qual o papel do brincar nas séries iniciais do Ensino Fundamental?

Analisemos algumas expressões e estudos interessantes sobre o brincar.


  • O brincar livre


Foto: Shutterstock


Sua infância foi na rua, no campinho perto de casa, brincando com vizinhos, subindo em árvores? Pois é, o brincar livre resgata a liberdade desses movimentos e escolhas. Na proposta do brincar livre, a criança escolhe as brincadeiras com outras crianças. É um brincar com liberdade, mas ainda assim com o olhar atento do adulto, que está lá para observar, incentivar e reorganizar o ambiente, deixando-o sempre atraente e estimulante às descobertas aos olhos das crianças. Para os neurocientistas, é o brincar livre, espontâneo, aquele que mais estimula a formação de cadeias neurais. Preparar esses momentos é eleger os ambientes em que acontecerão e os elementos ali presentes. É considerar um tempo flexível - conforme o desenvolvimento das brincadeiras em andamento - e que os interesses das crianças podem variar conforme o passar do tempo e entre elas. Após o preparar, a observação e o registro andarão juntas. A observação atenta auxiliará na inserção de elementos nos contextos das brincadeiras que poderão proporcionar saltos de

aprendizagem. Além disso, por meio de registros, a observação evidenciará os percursos formativos das crianças.


  • O brincar heurístico


Foto: Pixabay


Para as crianças bem pequenas, as descobertas são intensas e o #brincar também é importante. Aqui, a abordagem desenvolvida pela educadora inglesa Elinor Goldschmied apresenta uma forma diferenciada de organizar as atividades diárias oferecidas às crianças nos dois primeiros anos de vida. Segundo Elinor, no aprendizado heurístico, a criança descobre as coisas por si mesma. Nesse caso, o foco do brincar está na descoberta e também na manipulação de objetos como sementes, caixas, tapetes de borracha, novelos de lã, etc. Para o desenvolvimento dessa abordagem, também é necessário o cuidado com o ambiente, com a escolha dos materiais, com o tempo, com a observação e o registro. Aqui, o conceito de brincar adequa-se à faixa etária e considera aspectos importantes como: a quantidade de materiais e a forma como são agrupados e apresentados a cada criança; espaço suficiente para que possam movimentar-se tranquilamente; tempo da atividade; reorganização discreta dos materiais, de tempo em tempo, para que continuem convidativos à exploração; organização dos materiais pelas próprias crianças, com o auxílio das professoras, para que sejam guardados adequadamente para utilização em outro dia.


O ensinar



“Alecrim, alecrim dourado

que nasceu no campo

sem ser semeado.

Foi meu amor

que me disse assim

que a flor do campo é o alecrim.”




O #ensinar, por sua vez, é o conceito que mais se relaciona às instituições escolares. Por muito tempo esteve associado à disciplina, à transmissão de conhecimento, à repetição e à memorização.

Atualmente, devido ao contexto e aos estudos, o conceito de ensinar extrapola a escola e envolve dimensões antes apenas da esfera familiar. É comum ainda ouvirmos e lermos afirmações como: a família educa, a escola ensina. No entanto, com a delegação da família de boa parte da formação de uma criança às escolas, ensinar hoje assume um significado mais integral: escola e família educam e ensinam.

Nessa perspectiva, o conceito de educar supõe um professor que saiba orientar a criança para o seu amadurecimento emocional gradativo, com aproveitamento dos seus potenciais, sabendo conviver e lidar com as diversidades. Supõe um processo que inclui as dimensões do cuidar e do brincar, sem que haja fragmentações de ações no cotidiano escolar.


A relação cuidar, brincar e ensinar


Cuidar, brincar e ensinar, são conceitos indissociáveis no processo ensino-aprendizagem.

Assim sendo, é importante que a escola capacite, continuamente, seus educadores para o cuidar das crianças, na totalidade de suas necessidades, mas também para considerar o brincar como linguagem primordial da fase e, por isso, fundamental no cotidiano escolar. O brincar deve fazer

parte intencional do planejamento dos educadores, da projeção dos espaços e dos tempos da

escola, com metodologias condizentes com a realidade das crianças.





Danielle Mari Stapassoli

Pedagoga e assessora pedagógica,

especialista em “Currículo e Prática Educativa” e

“Organização do Trabalho Pedagógico”.

802 visualizações3 comentários

© 2019 by ConVivência Assessoria Pedagógica. Criado por fabrikart